Transtorno de Pânico

O que é?

 O Transtorno de Pânico se caracteriza pela ocorrência espontânea de ataques de pânico, caracterizados por intensa ansiedade e/ou medo. Na maioria das vezes, os ataques de pânico duram menos de uma hora, apresentando sintomas como palpitações, respiração ofegante e até mesmo medo de morrer. A pessoa pode ter múltiplos ataques durante um único dia ou apenas alguns ataques durante um ano. Esses ataques podem ocorrer acompanhados por agorafobia, que é o medo de estar sozinho em locais públicos, especialmente locais em que uma rápida saída seria difícil, em caso de ocorrer um ataque de pânico.  

O que se sente?

 Geralmente, o primeiro ataque de pânico é completamente espontâneo, embora seja natural que ocorram após excitação, esforço físico, atividade sexual ou trauma emocional. Frequentemente, o ataque começa com um período de 10 minutos de sintomas que aumentam rapidamente. Pode se sentir medo extremo e uma sensação de morte e catástrofe iminente. As pessoas, em geral, são incapazes de indicar a fonte de seus medos. Pode haver dificuldade de concentração, confusão, aceleração do coração, palpitações, falta de ar, dificuldade para falar e um enorme medo de morrer. O ataque dura de 20 a 30 minutos, raramente mais de uma hora.  

Como se faz o diagnóstico?

 O médico diagnostica o transtorno de pânico através do relato contado pelo paciente, procurando diferenciar de outras doenças físicas ou psicológicas. Muitas vezes, a pessoa procura ajuda quando percebe que não está mais conseguindo sair sozinha de casa por medo que ocorra um ataque de pânico.  

Como se trata?

 A pessoa deve procurar um médico que, provavelmente, irá associar um modelo de psicoterapia com uma medicação. Os sintomas melhoram dramaticamente nas primeiras semanas de tratamento. Atualmente, os medicamentos mais empregados são os antidepressivos.

Depoimentos:

Fale conosco:

* Preenchimento obrigatório

Matérias relacionadas:

  • Estimulação Magnética Transcraniana

    A estimulação magnética do cérebro acontece pela variação do campo magnético, que estimula ou inibe determinados locais, ativando os neurônios que não funcionam de forma correta na depressão.
    Saiba mais

  • O medo, a ansiedade e o estresse

    O medo está presente no nosso dia a dia, cada vez mais forte. Ficar doente, ter perdas financeiras, ser demitido, perder um ente querido são exemplos de temores que afligem milhões de pessoas Brasil afora nos dias atuais.
    Saiba mais