O que a Psiquiatria trata?

A Psiquiatria é uma especialidade médica que trata as alterações disfuncionais do comportamento, pensamento e emoção humana.

A partir do desenvolvimento de novas tecnologias, tornou-se possível observar o funcionamento cerebral de modo nunca antes visto, o que, além de contribuir com quebras de paradigmas (como a neurogênese [recriação de neurônios] e a plasticidade neuronal [condição de se reorganizar e regenerar], gerou outras várias novidades novas e fascinantes.

O profissional do ramo da Psiquiatria é o médico psiquiatra, que possui a condição de diagnosticar alterações disfuncionais ou patologias comportamentais e emocionais, resultando em um diagnóstico que norteia o tratamento. É a partir da observação dos sinais e da descrição dos sintomas, ou seja, aquilo que o paciente sente e relata, que é possível formar um diagnóstico.

A Psiquiatria dispõem de determinados recursos terapêuticos para tratamento: medicações, psicoterapia, eletroconvulsoterapia e estimulação magnética transcraniana, servindo para os mais diversos diagnósticos.

Os quadros clínicos que cabem ao psiquiatra diagnosticar e tratar estão estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e no Código Internacional de Doenças (CID), na sua décima edição: 

Demências (Doença de Alzheimer)

Apresenta comprometimento da memória, orientação, compreensão, capacidade de aprendizagem e pensamento. Ocorre geralmente em pessoas idosas.   

Dependências químicas ou transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substâncias psicoativas

Compreende várias situações diferentes: intoxicação aguda, uso nocivo para a saúde, síndrome de dependência e síndrome de abstinência das substâncias. Podemos citar como sendo psicoativos: o álcool, opiáceos (derivados da heroína), canabinóides (maconha), sedativos e hipnóticos (diazepan), cocaína (crack), os alucinógenos (ecstasy), fumo (tabaco) e solventes (thinner). 

Psicoses (Esquizofrenia)

Em geral, apresenta alterações do pensamento (como o delírio, onde acredita-se em coisas que não são reais) e da percepção (ouvir, ver ou sentir coisas que não existem). Com a evolução da doença desenvolve-se empobrecimento do pensamento e das emoções. 

Transtornos de Humor (Depressão, Distimia, Transtorno do Humor Bipolar e a Ciclotimia)

São as alterações dos sentimentos de alegria e tristeza e da energia para viver a vida. Para a Depressão (visão negativa), essas alterações dos sentimentos diante das vivências interfere na forma de pensar ou interpretar o mundo, construindo a tríade de visão negativa ou positiva de si mesmo, do mundo e com relação ao futuro. Já no caso do transtorno de humor bipolar na fase de mania (visão positiva), a gravidade varia em leve, moderada ou grave, com ou sem sintomas psicóticos. Pode ocorrer somente um episódio, por exemplo: Depressão ou Transtorno do humor bipolar. 

Ansiedade (medo ou preocupação)

Pode ser desencadeada devido a uma situação ou objeto específico, por exemplo: medo de lugares públicos, sair de casa, falar em público, andar de avião, elevador, dentre outras. Existem medos que podem surgir sem um fator desencadeante, como nos casos a seguir:

Síndrome do Pânico: ataque imprevisível de medo seguido de vários sintomas no corpo, como tremor, amortecimento, tontura e falta de ar.

Transtorno de Ansiedade Generalizada: preocupação crônica, nervosismo persistente e dificuldade de controlar a preocupação, sempre associado a muitas queixas somáticas como tremor, palpitação, desconforto gástrico, dores, tensão, dentre outros.

Existem também medos que ocorrem em decorrência de uma situação ou objeto específico, como por exemplo:

Fobia específica: é o medo de situações ou objetos que não apresentam nenhum perigo real.

Transtorno de ansiedade social: a pessoa sente desconforto em situações em que se encontra sob a observação de alguém, tendendo a evitar tais situações. Pode ser do tipo generalizada - quando ocorre em várias situações (festas, fila de banco, trabalhar sendo observado, escrever...) ou específica - quando ocorre em uma única situação (falar em público).

Transtorno Obsessivo Compulsivo: é caracterizado por pensamentos ou imagens invasivas das mais variadas (conteúdos de contaminação ou limpeza, agressão, sexuais, blasfêmia e outros). São seguidos por compulsões na tentativa de neutralizar essas ideias ou imagens por meio de comportamentos específicos, como limpeza, rituais, organização, reza, dentre outras.

Agorafobia: é o medo de ficar desprotegido ou desamparado. A pessoa evita circunstâncias em que possa sentir-se desta forma apresentando determinados comportamentos, como, por exemplo: medo de deixar o domicílio, multidões, lojas, viagens, ônibus, avião e outras situações semelhantes.

Depoimentos:

Fale conosco:

* Preenchimento obrigatório
Warning: mt_rand(): max(-1) is smaller than min(0) in D:\HTTP\ricardozimmer\web\materias-detalhe.php on line 120

Matérias relacionadas:

  • Impotência: Mito masculino; temor de desempenho

    A impotência (disfunção erétil) só se torna um problema ou uma doença quando ela predomina na vida sexual de um homem, isto é, quando há uma incapacidade persistente ou recorrente (repetida) de manter uma ereção até a conclusão da atividade sexual.
    Saiba mais

  • Doenças mentais

    O Psiquiatra Dr. Ricardo Zimmer, em entrevista ao canal TV Itapuã 10 de Pato Branco (PR), fala sobre as doenças mentais.
    Saiba mais