O medo, a preocupação e a insegurança

O medo, a preocupação e a insegurança quanto ao futuro estão muito presentes neste momento. É isso que mostra o estudo feito pela área de Inteligência de Mercado do Grupo Abril, que entrevistou mais de 4.500 brasileiros e concluiu que mais da metade dos participantes está extremamente preocupada no momento, sendo a palavra "medo" a mais citada como sentimento para definir o dia a dia.

E entre as preocupações, uma das mais recorrentes é o medo da perda do emprego e da recessão que afetará a economia: na pesquisa, 6 em cada 10 participantes têm medo de perder o emprego ou encarar uma redução na conta bancária. Além disso, alguns aspectos da crise já começam a aparecer: 10% do público alega já ter perdido emprego ou renda por conta dos problemas atuais e 70% teme que a crise afete seus direitos trabalhistas.

O medo e preocupação são normais no momento que estamos vivendo, porém, quando são exagerados e não dão "trégua", podem causar efeitos psicológicos negativos como: estresse pós-traumático, confusão, raiva e ansiedade. Além disso, quem já sofria de problemas psicológicos, como depressão e ansiedade pode ter agravamento do quadro.

Mas como lidar com esses sentimentos?  Em relação ao medo de perder o emprego, algumas dicas e práticas podem ajudar:

- Pensar na realidade imediata: se você ainda não perdeu o emprego, foque no momento presente e deixe para se preocupar quando/se isso acontecer.

- Compartilhar as emoções: seja com familiares ou com seu psiquiatra/psicólogo, esse é um jeito de aliviar e "colocar pra fora" o que está te incomodando.

- É normal se preocupar: você pode sentir preocupação, mas lembre de não deixar que isso vire um pensamento constante. Existem dois tipos de preocupação: a pessimista, que bloqueia e aumenta a ansiedade (pensamentos típicos desse tipo de preocupação são: "vamos todos ficar desempregados"), e a construtiva, que mostra uma abordagem saudável e estratégica (esse tipo de preocupação nos leva a mais reflexões como: "Qual a probabilidade de eu ser demitido e, se isso acontecer, será temporário ou definitivo? Como posso agir caso isso aconteça?").

- Diminuir as fontes de estresse: por exemplo, se um grupo no Whatsapp vive compartilhando preocupações e notícias falsas, talvez seja uma boa ideia silenciar e deixar de ver este grupo neste momento.

Se você tentou tudo isso e mesmo assim não está conseguindo lidar com o medo e preocupação constantes, o aconselhado é procurar um especialista em saúde mental.

Dr. Ricardo Zimmer
Médico Psiquiatra
Pós-graduado em Endocrinologia e Metabologia
CRM-SC - 10305 RQE 9292
http://www.ricardozimmer.com.br/


Fontes:

https://saude.abril.com.br/mente-saudavel/medo-e-tensao-brasileiros-coronavirus/

https://www.bbc.com/portuguese/geral-51800944

https://amenteemaravilhosa.com.br/medo-de-perder-o-emprego-pandemia/

https://www.folhape.com.br/noticias/noticias/coronavirus/2020/04/24/NWS,138251,70,1668,NOTICIAS,2190-SEM-VACINA-POPULACAO-NAO-CONSEGUIRA-BRINDAR-RETOMO-ROTINA.aspx

https://www.metropoles.com/vida-e-estilo/comportamento/3-conselhos-de-uma-psicologa-a-quem-perdeu-o-emprego-na-pandemia

https://blog.psicologiaviva.com.br/ansiedade-e-insonia/

Depoimentos:

Fale conosco:

* Preenchimento obrigatório

Matérias relacionadas:

  • Atenção! Concentre-se!

    Podemos melhorar a concentração se treinarmos a atenção, desenvolvendo a condição de mantê-la por mais tempo em um mesmo objeto ou função.
    Saiba mais

  • A Psiquiatria na Infância e na Adolescência

    A psiquiatria tem sido a especialidade médica com maior desenvolvimento técnico e científico nas últimas décadas. Essa evolução fez ampliar o campo de atuação do psiquiatra, que incia com a psiquiatria infantil já na infância e adolescência.
    Saiba mais